Poeminha Brabinho

Quanta brabeza há na mulher amada!
Quanta frieza há nas palavras jogadas,
Quão seco fica seus olhos, que são lindos…
És braba, minha mulher amada.

Defendes com força e coragem,
O que não precisa de defesa.
Implodes calada e com tristeza.
Explodes com histeria e desordem.
Não há serenidade em sua quietude,
Não há paz em seu silêncio.
Perdes um pouco das virtudes
E sem nenhum benefício.

És doce, amável, calma e leve…
És o amor com carinho e dedicação.
Vives e age sendo amada, mulher amável.
És linda…Mesmo quando braba!

Published in: Sem categoria on 05/03/2013 at 01:39  Deixe um comentário