Ousadia Por Você

Ouso ansiar pelo seu corpo que almejo que seja meu,
Penetrar seus olhos fundos e cheios de histórias,
Deixar-me encantar pelos doces movimentos de sua boca
E sentir sua boca num doce toque de um beijo.

Usufruir de seu corpo liso, leve, macio e possuído,
Possuído por mim, pelo que sentimos, pelo que somos.
Passear como quem passeia numa planície ao fim da tarde,
Sem pressa…

Perder-me em você, mulher amada!
Ser só seu enquanto te tenho e descubro só pra mim,
Descobrindo parte a parte numa constante procura
De uma mulher que arde em meu peito.

Ouso ainda escrever, sem pudor ou arrependimento
Sobre a ousadia desse fulgaz sentimento
Que tenho por você, meu alumbramento.

Anúncios
Published in: Sem categoria on 24/07/2012 at 11:33  Deixe um comentário  

Autópsia de um Coração

Eis meu coração dissecado em poesia.
Tristezas de tempos passados,
Amores de tempos vividos,
Conquistas, troféus empoeirados.

Amigos sumidos, escondidos pelo tempo
Copos vazios e bem guardados
Um violão num canto, encostado,
Versos mudos em pálidas folhas de papel.

Eis que disseco meu coração na poesia
Com lembranças confusas,
Com declarações sem mulher amada,
Coração cheio de paixões não consumadas.

Eis meu coração.
Eis minha poesia.

Published in: Sem categoria on 14/07/2012 at 12:22  Deixe um comentário  

Mulheres da Nossa Poesia

(Poeminha feito em parceria com o poeta Daniel F. Lins)

Ah, esse nosso jeito boêmio de viver…
De poder ver e ter, bebendo, e ás vezes sofrendo…
Sofrendo por um breve partir ou despedida sem fim…
Sofrendo na leveza da poesia, que surge da nossa boemia…
Dos cantos imupulsivos, dos brindes maliciosos, dos olhares suculentos à uma jovem mulher que inquieta nossa noite poética…
Nos seduzindo, nos aprisionando por sua pele, seu cheiro de desejo quase inocente…
Desejo de fazer parte do nosso declame,
Das nossas intimidades,
Dos nossos sonhos mais marcantes,
Das nossas transas que fogem da solidao
Ah, esse nosso jeito boêmio de viver…
De fazer da solidão nossa amiga, da melancolia nossa companhia,
De doces mulheres carentes fazerem parte de nossa poesia…
Mulheres, companheiras
Seja noite, seja dia
Mulheres amigas, amantes
Mulheres que fazem parte da nossa boemia.

Published in: Sem categoria on 03/07/2012 at 11:43  Deixe um comentário