Saudades Terei…

Da vila tranqüila
De um povo cansado
Da rua arborizada
E de todos os aposentados

Dos cumprimentos rápidos
Dos encontros em calçadas
De jovens rapazes passeando
Exibindo suas novas namoradas

Do boteco da esquina
E seus clientes embriagados
Das velhinhas como meninas
Varrendo com os pés descalços

Do silêncio da noite fria
Das fofocas sem rancor
Do apito dos vigias
Trazendo segurança como for.

Das dançarinas morenas
Mostrando seus corpos sem pudor
Beira Rio sentirei sua falta
Porque o pseudo-progresso chegou.

Published in: on 20/06/2011 at 19:32  Comments (3)