Lembranças

Do amor que tive, tenho lembranças
De momentos vividos cheios de esperança
Em quartos diversos repletos de paixão
Paixão que transbordava no calor
De corpos agitados sem pudor.

E no fim,no término, na pequena morte
Ela se encolhia e se recolhia em mim
E com minha camisa de botão se vestia
E se compondo de minhas vestes
Tinha a visão mais linda após o amor

Espiava suas pernas até elas findarem
Que Coxas! São lindas mas não mais minhas.
E hoje me resta apenas lembranças
Do amor que surgiu,cresceu e findou.
Fostes para mim um grande amor.

Published in: on 28/03/2011 at 22:14  Deixe um comentário  

Sofrimento de Quem Ama

Seus braços morenos não me envolvem mais,
Seu olhos não mais fecham aos meus beijos
E os beijos ficaram na lembrança, lá trás.

Os negros cabelos ainda sinto em minhas mãos
O cheiro sempre fresco aguça meu olfato
Os apertos perderam o tato, sem rastros.

Um grande amor constante, eterno e sofrido
Que passou por tanto tempo contido
E que afirmou o olhar interessado e furtivo.

Meus olhos que riam ao encarar meu amor
Hoje sentem o fim e choram lágrimas secas
Lágrimas que não caem, por conta da dor.

Para relembrar, não há fotos para ver,
Há poemas pra recordar e reviver
Os momentos felizes que um dia hei de ter (novamente).

Published in: on 24/03/2011 at 01:30  Comments (1)  

Só e Sozinho

Uma dor repentina
Que muito se refina,
Que traz consigo
Figuras passadas
E bem femininas.

Uma dor que aflinge
Tornando insegura
E talvez incerta
A vida agitada
Que a gente leva

Uma dúvida cruel
Que põe no papel
As conquistas duvidosas
E carinhos falsos
De momentos passados

Um frio demasiado
E um calor abafado
Me deixando suado,
Aflito e aperriado,
É isso que sinto.

Vozes amigas, escuto
Amigos fiéis, recebo
Conselhos não os recuso
Música boa, percebo
Mesmo assim sinto medo.

De cabeça baixa eu caminho
E encontro antigo carinho
Sentadinha num banquinho
A dor e dúvida estão comigo
Peso e dúvida que levo sozinho.

Published in: on 22/03/2011 at 23:46  Deixe um comentário  

Sacrifício de um Artista

(Choro em 3 atos e ciclicos)

I
Jovem almejava ser poeta
Casar-me com uma donzela
Olhos lindos, musa bela a me inspirar

Foi quando no gramado do campinho
Dedilhando esse chorinho
Eu notei que havia uma moça a me notar

Eras como o sol ao meio dia
Nos teus cachos reluzia
Melodia, poesia a cantar

(REFRÃO)
Sonhar, perceber
Fazer acontecer
Só depende de você
Arriscar, acreditar
não vais te arrepender.
Perceber, Sonhar
Só depende de você
Fazer acontecer
Acreditar, arriscar
Não vais te arrepender

II
Entraste em minha vida tão depressa
Fiz-te logo uma promessa
Prometi que nunca ias te deixar

E foi tanto amor tanto carinho
Só ternura em nosso ninho
Me doei, entreguei-me ao nosso lar

E como fosse o úlitmo dos dias
Te beijava todo dia
Como se nunca mais foste te beijar

(REFRÃO)
Sonhar, perceber
Fazer acontecer
Só depende de você
Arriscar, acreditar
não vais te arrepender.
Perceber, Sonhar
Só depende de você
Fazer acontecer
Acreditar, arriscar
Não vais te arrepender

III
Começando essa minha vida de artista
De boêmio, de sambista
Logo vi, não podes me acompanhar

Tomarei, então o meu caminho
Não é fácil ir sozinho
Te deixar e nunca para trás olhar.

Vou lançar-me nessa vida imensa
Com saudade e uma crença
Em que possa um artista me tornar

(REFRÃO)
Sonhar, perceber
Fazer acontecer
Só depende de você
Arriscar, acreditar
não vais te arrepender.
Perceber, Sonhar
Só depende de você
Fazer acontecer
Acreditar, arriscar
Não vais te arrepender

(Pinheiro Silva, Pedro Pereira e Tiago Pereira

Published in: on 22/03/2011 at 14:33  Deixe um comentário  

Mulher Angelical

Há toda uma candura e lirismo
No olhar fundo que admiro
Na leveza dos gestos
No conforto da presença.

E sabendo de minha carência
Talvez tenhas a indecência
De me fazer com a cadência
Os carinhos sem inocência

Te esperando ansioso
Arrumarei minha casa
Pra que possas nela entrar.

E no coração bagunçado
Darei um belo jeito
Pra comigo você se espalhar.

Published in: on 21/03/2011 at 00:42  Deixe um comentário  

Término

Nas palavras surge o silêncio
Num gesto surge o desconforto
Com olhares vazio evidencio
Duras palavras, me sinto morto.

Depois de tantos beijos quentes
Tantos sorrisos tortos
Sofro assim, tão de repente
Sem qualquer consolo

Paixão sendo fogo intenso
Queimando rápido cada momento
Numa chama forte e intensa
Acabando com aquele afobamento.

Um vázio agora possuo no peito,
Onde outrora foi tua morada
Agora habita a insegurança
De uma vida fria, sem nada.

Published in: on 18/03/2011 at 13:00  Comments (2)  

Amor que Rima

Um amor que arde sem alarde
Que nos condena sem pena
A nos amar de verdade,
Corajosamente, sem cena.

Talvez contido eu grite
O grande amor que sinto
Pra quem porventura duvide
Eu seja claro e sucinto.

Um amor gostoso, cristalino
Que guarda tanto afeto
E a cada dia me fascino
Como perto de ti me completo.

Desejo tão intenso e sublime
Tão forte quanto obsceno
Impedindo que subestimem
O amor e o bom senso.

Published in: on 16/03/2011 at 20:29  Deixe um comentário  

I Tocada – Primeiro Encontro

Hoje, às 22h na Av. Jemil Asfora, 17 Pina, acontecerá a Tocada.

Será o primeiro encontro oficial de Pinheiro Silva, Pedro Pereira, Tiago Pereira, Danilo Marculino e José Correia.

O encontro será filmado e transmitido via twitcam (o link será colocado em instantes de começar).

Segue o roteiro do evento

1.Abertura Todos
2.Precisa-se Pinheiro Silva
3.Samba-Canção Pinheiro Silva, Irmãos Pereira e Danilo Marculino.
4.Doces flores Pedro Pereira
5.Plano da poesia Pinheiro Silva & Pedro Pereira
6.Saboreamo-nos Nus José Correia
7.Já dizia o sambista Pinheiro Silva
8.Carne e Alma, Carnaval José Correia
9Carpe diem (Incompleta) Pinheiro Silva, Irmãos Pereira e José Correia
10.Inconsciente mente? Pinheiro Silva
11.Cancioneiro inconsciente Pinheiro Silva
12.Soneto Para Mulher Alvinha Pedro Pereira
13Vida de artista Pinheiro Silva
14.O Dia-a-Dia do Sentimento Meu José Correia
15.Adeus Pinheiro Silva
16.Fechamento Todos

Published in: Sem categoria on 11/03/2011 at 19:49  Deixe um comentário  

Doces Flores

Anas, Gabrielas, Claras e Camilas
São todas tão belas, todas tão lindas
Como as quero em minha vida.

Todas tão doces, todas tão minhas.
Jardim de uma só flor, por que teria?
Mulheres, meninas, beleza femenina

Figuras maternas, colos infantis
Braços fraternos, abraços gentis.
Bocas úmidas, cheios de amor.

Tantas bocas e todas tão frescas
Puderas todas ser fontes cheias.
Todas tão fiéis e um poucas feias

Minhas pequenas, algumas morenas
Pele de canela, cheiro de cravo
Como queria eu ser teu amado.

Outras tão doces,suaves flores
Figuras intensas dignas de poemas.
Nomes alvos e de alma pura.

Além das timidas, coisa finíssima!
Sorriso pequeno de tanto contento.
Pele branca e cabelos tão vermelho.

Bom mesmo é ter mulheres e flores
Nos vários momentos da vida,
Cultivando os grandes amores.

Published in: Sem categoria on 06/03/2011 at 04:33  Comments (2)  

Dor no Peito

Que dor profunda
Que frio no peito
Quem dera fosse
Pequena preceito

Mas não, foi fato
Visto e sentido
Não só dos olhos,
Mas também do coração.

Dor profunda.
Chorar, sinto vontade
Gritar, já pensei
Mas não faria sentido

Ela não sente mais
Amor ou carinho
Apenas mágoa e dor
Sai do coração

Entregarei minha dor?
De que adiantaria?
Se foi só clamor
De quem sofreu.

A verdade é que penso
E chego no consenso
Onde havia algo
Há um vazio imenso.

Published in: on 05/03/2011 at 04:40  Deixe um comentário